Criptomoedas: Descubra quais são

Tempo de leitura: 7 min

Escrito por lucas
em novembro 30, 2022

Há muitos tipos de criptomoedas e elas têm um papel essencial na atualidade, mostrando que a cada dia se torna algo fundamental para a modernidade. São o exemplo de como a evolução tecnológica tem trazido muitas coisas boas e que são essenciais.

Sabe-se que as criptomoedas têm tomado muito espaço, mas é como fazer a marcacao de instrumentos cirurgicos, há vários tipos. Todas as moedas são importantes, pois foram criadas em tempos diferentes e, às vezes, cada uma tem uma forma de funcionar.

As criptomoedas estão tendo uma popularidade muito grande. É comum quase todo dia se deparar com algumas notícias mostrando pessoas que investiram em criptomoedas e ficaram ricas. É algo que tem se tornado muito comum, dada as altas mudanças.

Por isso, às vezes, se indica que um empresário de uma empresa que vende sacos laminados, deve investir em criptomoedas. Porém, é evidente que tendo todo o apoio de um profissional da área que o possa auxiliar e quem sabe conseguir ficar rico com os ativos.

Diversas empresas também estão adentrando no mercado, adquirindo altas quantias de criptoativos, tendo total foco na valorização que pode se mostrar alguns meses mais depois. É como fazer tratamentos de córnea, deve-se ter calma e muita persistência no processo.

Mas, assim como é comum ver histórias de sucesso, também é muito fácil achar pessoas que investiram e no fim só perderam dinheiro. Por isso, é essencial, para iniciar a jornada de investimentos, uma ótima compreensão do mercado e de todos os seus riscos é preciso.

Este artigo foi preparado para mostrar os principais riscos que envolvem esse mercado, mas destacando que o foco não é desmotivar o investimento em criptomoedas, mas sim falar de possíveis perigos que existem nessa atividade, assim como há em outros ativos.

É impossível querer entrar no mercado de investimentos sem correr algum tipo de risco, seja ele financeiro, moral e de diversos outros tipos que são necessários para crescer.

Quando uma clínica para tratamentos de drogas é inaugurada, para ter sempre uma solução para possíveis problemas, investimentos em infraestrutura, serviço e qualidade são de fato a prioridade. Dado que o negócio vai lidar com pessoas doentes e instáveis.

Outra coisa crucial é que uma carteira de criptomoedas nada mais é do que um modelo de software que possibilita que os usuários de criptomoedas armazenem e recuperem os ativos digitais que possuem, é como ter uma impressão offset e acabamento gráfico.

Dado que as criptomoedas vão ser guardadas e ficarão muito seguras, para que ocorra absolutamente nada de ruim com os ativos do investidor e que ele não corra riscos.

Conceito de criptomoedas

De modo genérico, uma criptomoeda é um formato de dinheiro, como outras moedas as quais se usa diariamente, com a diferença de ser totalmente virtual. Além disso, ela não é emitida por nenhum tipo de governo, como o real ou o dólar.

As criptomoedas devem ser usadas com os mesmos fins do dinheiro físico em si. As três principais funções são ser usadas como meio de troca, facilitando as transações de vendas, reserva de valor, para a preservação do poder de aquisição no futuro e assim por diante.

Tipos de criptomoedas

O tipo mais famoso de criptomoedas são aquelas voltadas para pagar coisas, como é o caso do Bitcoin. O objetivo é permitir um modo seguro de fazer transações financeiras, mais simples do que os meios clássicos e completamente descentralizado.

Anos depois, em 2015, a Blockchain da Ethereum foi feita com o foco de descentralizar outros serviços além da transferência de valor. Além de ter a sua própria moeda, chamada Ether, a rede funciona como estrutura para guardar outros tokens.

Com isso, foi feito o modelo ERC-20 da Ethereum, um padrão utilizado para a criação de tokens. A partir daí, o processo de criação de criptoativos foi melhorado e se tornou relativamente mais fácil.

Todas as criptomoedas desenvolvidas depois do Bitcoin ficaram famosas pelo termo altcoins, ou seja, moedas que são alternativas ao Bitcoin.

Elas se dividem em variados tipos, como tokens de pagamento, tokens de uso, tokens de segurança, entre outros modelos ainda mais específicos, como também os game tokens.

Como criptomoedas são criadas?

As criptomoedas existem só no espaço virtual. Portanto, elas são feitas por meio de códigos de computadores, softwares precisos e hardwares. Há variadas formas criação, mas no geral, as principais são as seguintes:

O Blockchain próprio

A primeira moeda digital e Blockchain do mundo foi o Bitcoin, e a partir dele é que os outros ativos digitais nasceram, direta ou indiretamente. O Ethereum, por exemplo, embora seja muito oposto do BTC, nasceu através de modificações feitas no código original.

Essa dinâmica funciona de uma forma ou de outra até hoje. Quem quer ter uma cripto, com uma Blockchain própria, em geral usa da fonte de outros ativos digitais que já existem, modifica os dados necessários e lança uma nova rede dentro do mercado.

Ainda assim, um projeto do tipo vai necessitar de um desenvolvedor com enorme conhecimento sobre a tecnologia Blockchain. Isso sem falar na criação de comunidade e uma rede de validadores para fazer com que a cadeia permaneça de pé.

O Blockchain de terceiros

A maneira citada antes engloba a criação de Blockchains únicas com criptomoedas nativas. No entanto, há também a chance de usar Blockchains que existem para desenvolver novos tokens, com regras e nomes diferentes.

Isso é possível naquelas que ofertam smart contracts, ou contratos inteligentes, protocolos que funcionam com base em regras que são previamente definidas.

A principal cadeia utilizada para o lançamento de novos tokens é o Ethereum. Os ativos digitais criados nessa rede seguem uma documentação técnica com o nome de Ethereum Request for Comments, ou ERC, ou como Solicitação de Comentários do Ethereum.

Dentro mercado, os ativos que seguem esse tipo de padrão são denominados de tokens ERC-20. O número 20 é para indicar o número da identificação da regra.

É através desse método de terceirização que qualquer investidor pode pôr novos tokens no mercado. No geral, é pegar um contrato de algum projeto feito, editar com dados sobre o novo ativo, nome, número de ativos, e realizar algumas mudanças simples.

A mineração

A mineração é o termo de um processo que resulta na criação de novas unidades de ativos digitais que já funcionam, então não faz iniciar uma coisa totalmente nova. É similar à emissão de moedas por um banco central, mas com algumas diferenças importantes.

Os riscos das criptomoedas

Saber os riscos de se investir em Bitcoin é um passo essencial antes de começar a mover os fundos precisos para essa atividade. Os perigos desse mercado vem de várias fontes, o que causa uma perda de ativos. E os riscos são:

  • Grande volatilidade;
  • Altos ciberataques;
  • Falta de um setor centralizado;
  • Falta de diretrizes e legislações;
  • Depende muito da tecnologia.

Esses são os maiores riscos de investir em criptomoedas. O investidor tem de estar ciente disso, por isso, deve contratar um profissional. Afinal, se o motorista não sabe sobre carros, ele contrata um profissional para fazer as trocas de óleo, assim deve ser para as moedas.

Como funcionam?

Como o Bitcoin, por exemplo, opera em um livro de razão digital e seguro, que tem o nome de Blockchain, é essencial que se tenha controle e proteja do código de acesso para evitar que pessoas terceiras consigam invadir a carteira.

E caso o investidor perca a chave, é possível perder também o acesso à quantidade de criptomoedas. Sendo assim, é imprescindível se manter atento e, além disso, guardar bem a chave em segurança, mas não no ambiente digital.

Diversas carteiras de criptomoedas são descentralizadas e blindadas por criptografia, ou seja, não existe um número de uma central de atendimento ao cliente para a pessoa ligar e, caso seja preciso, deve-se redefinir a senha.

Assim, estima-se que mais de 20% de todo o bitcoin em circulação hoje em dia esteja perdido em carteiras digitais que os donos não conseguem acessar. É algo que alcança o valor de bilhões de dólares.

Considerações finais

Por fim, se o investidor está planejando obter uma enorme quantidade de cripto, deve optar por priorizar carteiras que possibilitem fazer backup total dos dados. Assim como devem fazer os laboratórios que realizam testes de micoplasma, o backup é importante.

E uma dica é que não há uma única carteira que guarde todas as criptomoedas existentes. Assim, o investidor vai precisar entender quais carteiras se encaixam no perfil com base em quais moedas ele deseja investir ou utilizar.

É como se um proprietário de uma casa estivesse buscando por janelas de vidro. Para que ele compre o melhor, deve ver se as janelas se encaixam com o perfil estrutural da casa, só assim ele pode concluir a compra.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade